terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Quando a Noite Cai



Título: Quando a noite cai
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus Editora
Ano:2017


Do sonho à realidade...


   Briana é uma garota atrapalhada que não consegue se firmar em trabalho algum. Para tentar salvar a pensão da mãe e manter a irmã na faculdade, ela procura vários empregos, mas sua falta de sorte e seus dois pés esquerdos não permitem que ela fique mais do que uma semana em nenhum deles.
   A noite, porém, tudo muda, porque em seus sonhos ela é a bela e corajosa Kiara, uma princesa que precisa lutar pelo seu reino e por seu grande amor, Lorcan. O bravo guerreiro também é apaixonado por ela, fazendo com que cada despertar de Briana se torne uma tristeza, já que, em sua real, não há bravura, reinos e muito menos um homem como Lorcan ao seu lado.
   Até o dia em que, após mais uma entrevista de emprego frustrada, a garota é quase atropelada por um cara nada mais nada menos do que o guerreiro dos seus sonhos. A bem da verdade, não é exatamente o valente camponês que está diante de si, mas Gael, um rico e mau humorado executivo que a leva para o hospital e a contrata como sua assistente.
   O desafio será Briana separar a imagem idêntica do seu chefe com o homem literalmente dos seus sonhos, e saber como lidar com cada um da maneira certa, principalmente quando descobre que o chefe guarda profundos e macabros segredos, e que a vida de Lorcan parece estar em risco.

" Essa é a diferença entre fantasia e realidade: a vida te frustra a todo instante enquanto a fantasia te entorpece com suaves doses de falsas esperanças." (p. 203)



PING-PONG:

Título e Capa: O título é interessante porque realmente tudo muda na vida de Briana quando a noite cai. De uma azarada funcionária para uma princesa apaixonada, ela vive sua vida dos sonhos à noite. Achei a capa linda, uma ótima escolha de cores e efeitos, e a Briana ruivinha com seu caderno de desenhos entrando em mais um dos seus incríveis sonhos.

Como o livro me achou: Confesso que, apesar do sucesso que foi para mim "Perdida", "Quando a noite cai" não foi um livro que me chamou a atenção para ler. Na black friday do ano passado, porém (sempre essas black friday me levando à falência...) eu vi um box de quatro livros da Carina Rissi que não resisti. Esse foi o primeiro do box que abri para ler e, se o que tinha o tema menos atraente me cativou assim, imagine os outros...

Foi Top: O humor da autora me fez rir à beça com esse livro. Assim como na série Perdida, ela mistura fantasia com realidade, assunto sério com brincadeiras, em uma proporção equilibrada e deliciosa. 
" - Parece que ela [má sorte] tira férias quando estou com você. Tô pensando em não sair do seu lado pelo resto da vida - brinquei.
Só depois que Gael enrijeceu como se tivesse levado um chute na boca do estômago foi que eu percebi o que tinha dito.
Que ótimo, Brina. Muito bem.
Talvez eu pudesse escrever um livro sobre esse assunto também. Como apavorar um homem com apenas uma frase." (p.259)

Estragou: Na boa, a ideia de Briana ter outra vida enquanto dorme foi ótima, mas veja bem, quando ela dorme, e a noite cai, não é assim o título? Não era para a personagem ficar desmaiando de cinco em cinco minutos em plena luz do dia, só para passar as cenas de Kiara e Lorcan. Ficou meio cansativo e forçado isso, tipo, eu já teria levado a menina para o psiquiatra faz tempo se ela desmaiasse do nada e acordasse gritando com essa frequência.

Só nesse livro: Acho que essa história de misturar sonho com realidade só encontrei mesmo nessa obra... Obviamente, há uma razão para o herói do sonho ser a cara do chefe, existe uma conexão entre o subconsciente e a realidade. Achei uma ideia bastante original.

Quem me conquistou: Apesar de achá-lo um pouco sensível demais, Lorcan ganhou um espacinho considerável no meu coração. Mulher é mesmo um bicho doido, né? Se o cara é um ogro, é rude demais. Se é romântico e se apaixona rápido, é sensível demais. Dá pra entender? hahaha. Lorcan é um fofo em muitos sentidos, e acredito que o fato dele ter sido idealizado e criado por uma mulher romântica como a Carina fez com que ele se tornasse essa utopia de homem que se entrega aos sentimentos.
" - Tem razão. Não consegue compreender o amor. Não é assim que funciona. Não se decide amar ou não. Simplesmente acontece, sem que se possa evitar. - Ele puxa uma florzinha branca de um arbusto e começa a girá-la entre os dedos. - Não devia estar tão convencida de algo sobre o qual não exerce nenhum controle." (p.76)
Tipo, olha só isso: Kiara sendo prática e dizendo que essas coisas de amor não passam de fantasia, e Lorcan, que deveria fugir desse assunto desesperadamente, fica dando uma aula sobre a impotência das pessoas diante desse sentimento. Sou só eu que vi uma contravenção aqui??

Quem podia cair fora: Não tiraria ninguém da história. Personagens marcantes e adoráveis, desde a irritada secretária Guilhermina, até o fofo Lorenzo, um dos melhores amigos de Gael. Entraria na história  só para dar um abraço bem dado nesse cara.

O que o livro me ensinou: Que o perdão é a maior arma contra a maldade. 
"É natural do ser humano lutar. E, sempre que nos sentimos ameaçados, acuados, amedrontados ou feridos, nós atacamos, porque é o jeito mais fácil de mascarar a dor. Perdoar exige muito mais: mais bravura, mais coragem, mais força. Para cicatrizar uma ferida, é preciso parar de cutucá-la, e só se consegue isso quando se esquece por algum tempo. Até que que em uma manhã você acorda e percebe que agora existe uma cicatriz no lugar, e que não dói mais, ainda que a marca nunca desapareça." (p.410)

Prepare-se para muito açúcar, algumas surpresas e nós na cabeça. O fim vale a pena, a história é bonitinha e faz a gente pensar, que é o que eu mais gosto nos livros.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que tal debatermos sobre esse livro?
Deixe seu comentário!